O homem e a mancha

O homem e a mancha

domingo, 8 de novembro de 2009

DentroFora


Paul Auster, ao lado de romances, memórias e roteiros para cinema, durante os anos de 1976 e 1977 escreveu três peças curtas, reunidas no livro Da mão para a boca: crônica de um fracasso inicial (Companhia das Letras, 1997). Traduzidas como O gordo e o magro vão para o céu, Esconde-esconde e Blecautes, percebe-se sem a menor dúvida a inspiração absoluta para esses textos: o teatro de Samuel Beckett. No ano passado, o Grupo In.co.mo.de-te, sob a direção de Nelson Diniz e Liane Venturella, encenou o primeiro desses textos, o mais longo, uma espécie de paródia-homenagem a Stan Laurel e Oliver Hardy, cuja evidente referência é Esperando Godot, do autor irlandês.
Desta vez, Esconde-esconde virou DentroFora, e o grupo agora inverte as funções: no palco, Nelson e Liane dirigidos por Carlos Ramiro Fensterseifer, que interpretara o Magro na peça anterior. Se no texto de Auster ele não nomeia suas duas personagens, chamando-os apenas de Homem e Mulher, a montagem porto-alegrense os batiza como Marie e Jimmy, localizando de alguma forma a ação em algum país de língua inglesa.
No programa, é informado que DentroFora é inspirado em Dias felizes, de Beckett, mas essa inspiração, evidentemente, provém de várias outras peças e narrativas de Beckett. Explico: é comum a temática da imobilidade em sua obra. Apenas como exemplo, cito os romances do pós-guerra: Molloy e O inominável apresentam protagonistas imobilizados: o primeiro, na cama de sua mãe; o segundo, um ser indefinido, dentro de uma espécie de tonel, de onde veem-se apenas sua cabeça e ombros. Entre as peças, também pode-se dar como exemplo Play, em que três figuras, apenas com a cabeça para fora, permanecem dentro de grandes urnas.
A montagem de DentroFora tem como grande mérito o excelente trabalho dos atores, mas que, para mim, tem seu ápice na atuação de Liane Venturella, realmente ótima como Marie. Era difícil, para mim, tirar os olhos dela durante a peça, com aproximadamente 40 minutos. As caracterizações, de alguma forma, me remeteram a Alice no país das maravilhas, de Lewis Carroll.
É um trabalho fundamentalmente de atuação, já que, ao seguir muitas das rubricas de Auster (e, por outro lado, deixando de executar algumas delas, como por exemplo a exigência de que as caixas onde permanecem as personagens deveriam ser recobertas por cortinas "de veludo escuro", e pedindo que essas mesmas cortinas deveriam ser abertas e fechadas dezenas de vezes durante a peça, com "um som áspero, duro, característico"), a direção abstém-se de criar algo que avance em relação ao texto. É o "mal" de quem encena Beckett, já que ele explicitava, com riqueza de detalhes, em longas rubricas, como deveriam ser montados seus textos: o diretor ou fica amarrado ou joga tudo para o alto.
Carlos Ramiro, no entanto, foi sábio ao não inventar muita coisa, deixando que Nelson e Liane deitassem e rolassem com o saboroso texto. É um espetáculo que deve ser visto por todos que gostam de teatro, apesar de saber que não será, infelizmente, um estouro de público, porque não é uma encenação com muitos atrativos para o público médio de Porto Alegre. Quase estática e centrada na palavra, exige uma suspension of desbelief extra, já que é necessário embarcar na convenção e na metáfora apresentada para fruir com toda profundidade.
Parabéns ao grupo, pela coragem de nos apresentar uma dramaturgia e uma estética pouco comuns em Porto Alegre, mas altamente qualificadas e muito bem executadas.

Um comentário:

  1. Fiquei encantada com a peça Marcelo. Vi no segundo dia da temporada e logo já divulguei pra todos meus contatos. Pra mim sempre é aula assistir bons atores em cena. Achei a iluminação linda, me marcou muito.

    ResponderExcluir