O homem e a mancha

O homem e a mancha

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Ivo Bender e Ana Mariano concorrem ao Prêmio Fato Literário 2011

Neste ano, o Prêmio Fato Literário tem duas pessoas a quem admiro muito concorrendo: a poeta e romancista Ana Mariano e o dramaturgo Ivo Bender.
Ana lançou há pouco seu lindo romance Atado de ervas. Ivo também entregou seu primeiro volume de contos, depois de 50 anos escrevendo para teatro, ambos publicados pela L&PM. Vote no site para escolher o vencedor pelo Júri popular em

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

De professor a aluno

A matéria aí de cima foi publicada esta semana na Contracapa da Zero Hora, comandada pelo jornalista Roger Lerina. Primeiras divulgações do nosso novo espetáculos, que estreará em março de 2012.
Fiquei pensando que a vida do ator é tão interessante porque ele pode abordar os diferentes ângulos de um mesmo problema conforme ele muda de personagem. Explico: em 2010, a Cia. de Teatro ao Quadrado encenou A LIÇÃO, de Eugène Ionesco, onde eu vivia o Professor psicopata (foto logo abaixo) que manchava de sangue a sala de aula a estocadas de faca. Em 2012, viverei o outro lado dessa moeda, dando concretude a um estudante, também em uma sala de aula. Em comum às duas peças, a violência que corre à volta da instituição escola. Em INIMIGOS DE CLASSE, minha personagem chama-se Ferro (dá pra ter uma ideia, pelo nome, de que esse aluno também não é exatamente um bom moço), e o texto de Nigel Williams deixa claro que o problema da educação, no mundo atual, é mais complexo do que parece à primeira vista: não há maniqueísmo possível, não há culpados e inocentes; há sim um sistema educacional oscilante e pedindo para ser transformado.
Enquanto isso, na vida real, eu, Marcelo Adams, personagem de mim mesmo, sigo sendo professor na UERGS, e ensinando teatro aos meus alunos...

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Os fuzis da Sra. Carrar

Amanhã, dia 21 de outubro, será realizada a leitura dramática da peça OS FUZIS DA SRA. CARRAR, do dramaturgo alemão Bertolt Brecht, às 20 horas, no Teatro de Arena (Borges de Medeiros, 835), com ENTRADA FRANCA. A escolha do texto para essa leitura se deu por uma circunstância triste para o teatro gaúcho: neste ano perdemos o ator Jesus Tubalcain, que fez parte do elenco do Teatro de Arena em seus primeiros tempos (anos 1960 e 1970). Em 1968, Jesus participou de sua primeira montagem no Arena com a encenação desta peça; é portanto uma forma de homenagear esse ator que fez parte de um dos momentos mais importantes da história de nosso teatro.
Escrito por Brecht em 1937, o texto é um dos mais conhecidos deste grande teórico e encenador teatral do século XX, e é ambientado na região da Andaluzia, na Espanha (a mesma de Federico García Lorca). Durante a Guerra Civil Espanhola (iniciada em 1936), Teresa Carrar mantém sob sua guarda alguns fuzis que haviam pertencido ao seu finado marido. Quando seu irmão Pedro chega em sua casa, disposto a carregar consigo os fuzis, para que sejam utilizados na resistência contra o General Franco, a Sra. Carrar nega-se a entregá-los, acreditando que a violência não é a melhor saída. Uma série de embates éticos são travados entre as personagens, discutindo questões que envolvem o estado de guerra e as decisões que advêm de envolver-se diretamente ou não no conflito.
A leitura dramática tem direção de Marcelo Adams, e tem no elenco apenas mulheres, que interpretam também as personagens masculinas: Mirna Spritzer, Margarida Leoni Peixoto, Gisela Habeyche, Vika Schabbach, Luísa Herter e Lúcia Bendati.
Na mesma ocasião, será lançado o edital do Prêmio de Pesquisa em Artes Cênicas do Teatro de Arena, versão 2012.
Esta é uma foto da montagem original do Arena, de 1968. Jesus Tubalcain é o bigodudo. No elenco estavam atores atores como Ida Celina (querida parceira minha de palco), Ludoval Campos, Alba Rosa, Aparecida Dutra, entre outros, sob a direção de Wagner Mello.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Goela abaixo ou Por que tu não bebes?

O nosso amigo Bob Bahlis esteve comigo e com a Margarida ontem, em Passo Fundo, onde apresentamos nosso espetáculo GOELA ABAIXO OU POR QUE TU NÃO BEBES?, que está em cartaz desde 2005. A seguir um trechinho da peça, que Bob gravou.

sábado, 15 de outubro de 2011

Cida Moreira em A dama indigna

 
Cida Moreira é uma das maiores atrizes a que já tive o prazer de ouvir cantar. Sim, porque chamar Cida de cantora, apenas, é ser impreciso. O que ela faz não é só cantar, mas transmitir de tal maneira e com tal riqueza de intenções as canções que interpreta, que eu, que sou ator, fico invejando admirado o incrível e riquíssimo arsenal de sutilezas que ela decanta. Quem já ouviu Sympathy for the devil, por exemplo, na vibrante voz de Mick Jagger, fica surpreso com a quase-doçura-assustadora com a qual Cida a interpreta. Ou Summertime, um dos maiores clássicos da canção do século XX, que Cida consegue reinventar de maneira comovedora.
Assistindo ao show de Cida no Studio Clio, por várias vezes fui levado às lágrimas: as palavras que ela pronuncia parecem, como que pela primeira vez, fazer sentido, mesmo que já as conheçamos. Foi assim com Maior que o meu amor, que de tão sincera na interpretação de Cida, faz com que se torne a versão definitiva para essa linda canção. Ou com O ciúme, de Caetano Veloso, de uma beleza engasgante.
Não dá para falar de momentos altos do show, porque todos eles são magnéticos: Cida nos prende com sua presença segura e rasgadamente teatral. Há ainda a delicada direção de Humberto Vieira, que dá à Cida atriz-cantora alguns momentos impagáveis, como quando espatifa uma taça no chão do palco, ou quando beija uma rosa para em seguida esmagá-la entre os dedos, jogando os fragmentos em direção à plateia, como quem diz "peguem, este é o corpo de Cida", numa debochada paráfrase cristã. E Cida, como ela própria admite, se revela 100% no repertório de A dama indigna. The man I love e Canção desnaturada são as maiores provas disso: é quando Cida fala de seus maiores amores, utilizando o que de melhor sabe fazer para expor suas entranhas apaixonadas.
Só para finalizar, mas sem esgotar o conteúdo do show, é preciso mencionar a divertidíssima recriação vocal para Sou assim. Ou do mega sucesso Back to black, que com Cida ganha contornos waitsianos-brechtianos (e poderia ser diferente?).
Foi um privilégio ter assistido novamente a essa grande, grande cantora brasileira, a quem eu tenho o prazer de conhecer fora dos palcos também. Essa escorpiana (minha colega de signo) tem a chama rara da arte completa. Os cabelos avermelhados de Cida são como que a ponta do iceberg desse talento, que parecem assinalar a paixão que a queima. Parabéns Cida e Humberto, vocês são demais.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

INIMIGOS DE CLASSE

A foto acima é do primeiro encontro da montagem do espetáculo INIMIGOS DE CLASSE, que estreará em março de 2012, com direção de Luciano Alabarse. O texto do inglês Nigel Williams trata de um grupo de estudantes que, enquanto espera a chegada do novo professor, decide dar aulas, uns para os outros, sobre os assuntos que cada um domina. Uma linguagem crua, violenta e urgente impregna esse universo. A escola é uma selva onde cada um se defende como pode. Uma crítica implacável à educação degradada nas escolas, mas também ao desinteresse assustador que se vê nos jovens de hoje em relação ao ensino.
Na foto, o elenco: da esquerda para a direita, Denis Gosch, Fernando Zugno, Fabrizio Gorziza, Marcelo Ádams, Marcello Crawshaw, Gustavo Susin e Eduardo Steinmetz. Há ainda a participação de Mauro Soares, interpretando um professor, e de Margarida Peixoto, fazendo a preparação corporal do elenco.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

GOELA ABAIXO em Passo Fundo

O espetáculo GOELA ABAIXO OU POR QUE TU NÃO BEBES?, que desde 2003 se apresenta pelos palcos gaúchos (e fora do RS, com muita alegria), será mostrado no próximo domingo, dia 16 de outubro, às 20h, no Teatro do SESC em Passo Fundo. Adaptado da peça do dramaturgo tcheco Václav Havel, tem direção de Marcelo Adams, com Margarida Leoni Peixoto e o próprio Marcelo no elenco.
Ambientado em uma cervejaria do Leste europeu, essa comédia dramática teve em nossa encenação a inspiração da obra de outro grande tcheco, o escritor Franz Kafka. Poder, embriaguez, burocracia, perseguição política e humor fazem parte dessa receita que tem dado certo desde a estreia. E Porto Alegre receberá, no próximo verão, a já tradicional temporada de Goela abaixo no Teatro de Arena.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

A ÚLTIMA ESTRADA DA PRAIA ainda em cartaz nos cinemas

O longa metragem rodado inteirmante no RS A ÚLTIMA ESTRADA DA PRAIA, dirigido por Fabiano de Souza, continua em cartaz nos cinemas de Porto Alegre, desta vez no CINE BANCÁRIOS, em sessões diárias. No elenco Marcelo Adams, Marcos Contreras, Miriã Possani e Rafael Sieg. Premiado em festivais pelo Brasil, o filme é um deliciosa viagem pelo litoral gaúcho, ao som de Arthur de Faria, Wander Wildner, Nei Lisboa...

terça-feira, 4 de outubro de 2011