O homem e a mancha

O homem e a mancha

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

De professor a aluno

A matéria aí de cima foi publicada esta semana na Contracapa da Zero Hora, comandada pelo jornalista Roger Lerina. Primeiras divulgações do nosso novo espetáculos, que estreará em março de 2012.
Fiquei pensando que a vida do ator é tão interessante porque ele pode abordar os diferentes ângulos de um mesmo problema conforme ele muda de personagem. Explico: em 2010, a Cia. de Teatro ao Quadrado encenou A LIÇÃO, de Eugène Ionesco, onde eu vivia o Professor psicopata (foto logo abaixo) que manchava de sangue a sala de aula a estocadas de faca. Em 2012, viverei o outro lado dessa moeda, dando concretude a um estudante, também em uma sala de aula. Em comum às duas peças, a violência que corre à volta da instituição escola. Em INIMIGOS DE CLASSE, minha personagem chama-se Ferro (dá pra ter uma ideia, pelo nome, de que esse aluno também não é exatamente um bom moço), e o texto de Nigel Williams deixa claro que o problema da educação, no mundo atual, é mais complexo do que parece à primeira vista: não há maniqueísmo possível, não há culpados e inocentes; há sim um sistema educacional oscilante e pedindo para ser transformado.
Enquanto isso, na vida real, eu, Marcelo Adams, personagem de mim mesmo, sigo sendo professor na UERGS, e ensinando teatro aos meus alunos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário