O homem e a mancha

O homem e a mancha

sábado, 28 de julho de 2012

A morte de Susanne Lothar

Morreu SUSANNE LOTHAR (1960-2012), atriz alemã que teve presença marcante no cinema nas últimas duas décadas. As causas de sua morte não foram divulgadas.
Susanne era uma grande atriz, e entre os filmes dela a que assisti (infelizmente muitos deles jamais foram lançados no Brasil) se destacam Violência gratuita (1997), A professora de piano (2001) e A fita branca (2009), os três dirigidos pelo genial austríaco Michael Haneke, e O leitor (2008), de Stephen Daldry. A intensidade da atuação dessa atriz é uma das coisas mais fortes a que já assisti, e destaco uma sequência de meu filme preferido com ela, Violência gratuita:

quarta-feira, 25 de julho de 2012

CINCO MANEIRAS DE FECHAR OS OLHOS: trailer oficial


Estou muito feliz de ver as primeiras imagens do trailer desse filme que foi produzido dentro da PUCRS, com uma equipe excepcional, e um roteiro muito interessante, incomum para o cinema brasileiro. Estou no elenco, ao lado de um monte de ótimos atores. Tomara que estreie logo nos cinemas!
A morte de uma jovem coloca em xeque a vida de quatro pessoas. Através da visão de cinco jovens diretores, Cinco Maneiras de Fechar os Olhos nos conduz pelas sensações, angústias e esperanças vividas por Estela, Carol, Otávio e Leo nesta condição de dualidade em suas vidas.
O filme é o primeiro longa-metragem totalmente realizado e finalizado em uma disciplina de conclusão de curso em uma Faculdade de Cinema do Brasil. O projeto foi desenvolvido por cerca de um ano e meio no Curso de Produção Audiovisual - Cinema e Vídeo da PUCRS de maneira colaborativa entre os alunos graduandos do ano de 2011.
--------------------------------------------------------------------------------­--------------------------------------
Ficha Técnica:

Roteiro:
ABEL ROLAND
EMILIANO CUNHA
FILIPE MATZEMBACHER

Direção:
ABEL ROLAND
AMANDA COPSTEIN
EMILIANO CUNHA
FILIPE MATZEMBACHER
GABRIEL MOTTA FERREIRA

Assistência de direção e Continuidade:
LAURA LINN
NINA SCHWAB

Direção de produção:
CLARISSA MILFORD
DIOGO ZANELLA
ELISA PETRY
HENRIQUE ARAUJO
LETÍCIA RIBEIRO

Produção de elenco:
CATHARINA CONTE
GABRIELA MARTINS

Direção de fotografia:
ARIANE FELIX
GUILHERME BELLINI
HENRIQUE ARAUJO
RAMON SILVESTRI

Direção de Arte:
GIANA MILANI
LOUISIANE CARDOSO
PEDRO FANTI
MANUELA FALCÃO

Montagem:
LAURA LINN

Som direto:
KEVIN AGNES

Desenho de som:
GABRIEL MOTTA FERREIRA

PROFESSORES ORIENTADORES:
Profa. Aletéia Selonk
Prof. Eduardo Wannmacher
Prof. Fabiano de Souza
Prof. Gustavo Spolidoro
Prof. João Guilherme Barone Reis e Silva

Coordenação TECCINE:
Prof. João Guilherme Barone Reis e Silva

Coordenação FAMECOS:
Profa. Magda Cunha

ELENCO

ÁUREA BAPTISTA .................... Estela
LÍZIA BUENO............................ ..Carol
CARLOS PAIXÃO......................Otávio
RAVEL ANDRADE.........................Léo
RENATA DE LÉLIS.................. Suicida
GABRIEL ZOPPAS.......................Caio
DANIELLE FOGLIATTO...............Dora
MARCELO ADAMS .............Clemente
RAFAEL SIEG ........................Marcelo
JÚLIO CONTE .......................Giovane
ROSSENDO RODRIGUES......Marcos
MÁRCIA DO CANTO ...................Vera
LAURA HICKMAN...................Mariana
LÉO TIETBOEHL ...................Rodrigo
TATIANA VINHAIS.....................Karina
ISADORA PILLAR...................... Paola
LUIS FRANKE.............................Diego
STEFANO FIALHO.......................João
LUÍSA HERTER................Cabeleireira
GIANNA SOCCOL ...................Natália
TACYANA PICININ........................Ana
DU. R MACIEL.................... Fotógrafo
LARISSA TAVARES............Secretária
CLAUDIA LEWIS............... Cozinheira
MÁRCIO REOLON..................Barman
MARCELLO CRAWSHAW......Garçom
LUCAS CASSALES ......... Segurança

terça-feira, 24 de julho de 2012

ARTIMANHAS DE SCAPINO: Molière homenageia a commedia dell'arte

Somente dias 27, 28 e 29 de julho,
no Teatro Bruno Kiefer
da Casa de Cultura Mario Quintana,
às 20 horas.







sexta-feira, 20 de julho de 2012

ARTIMANHAS DE SCAPINO: a crítica de Antônio Hohlfeldt


Crítica de ARTIMANHAS DE SCAPINO, por Antônio Hohlfeldt, publicada na edição de hoje do Jornal do Comércio de Porto Alegre:

Novo reencontro com Molière
"A diretora Margarida Leoni Peixoto tem perseverado na busca de uma linguagem contemporânea, capaz de “traduzir” a verve criativa e comunicativa da dramaturgia cômica de Jean-Baptiste Poquelin, mais conhecido como Molière. Este é o seu terceiro trabalho baseado no conhecido comediógrafo. O resultado é, em todos os sentidos, altamente positivo porque, embora a peça tenha uma duração relativamente longa para a prática atual, com quase duas horas de encenação, sem intervalo, a verdade é que o espetáculo envolve a plateia de tal modo, que a gente não percebe o decorrer do tempo.
Uma montagem teatral, para alcançar plena consecução, depende de inúmeros fatores, porque ela sempre é, antes de tudo, um trabalho coletivo. Mas o processo começa, certamente, pela escolha do texto e sua leitura criativa-interpretativa; passa pela escolha do elenco e chega à equipe técnica, que viabiliza e concretiza as ideias da direção. Em todos esses elementos, Margarida Peixoto acertou, a começar pelo uso da bela, articulada e flexível tradução do texto original, feita por Carlos Drummond de Andrade.
O elenco de Artimanhas de Scapino, que é a peça a que nos referimos aqui, é equilibrado e foi cuidadosamente trabalhado pela direção, de modo que não há titubeios: cada ator e atriz sabe exatamente o que faz e o espaço que ocupa, tanto no espaço físico do palco quanto na trama em desenvolvimento. Ele é uníssono, ainda que, uma vez mais, Marcelo Adams se destaque no conjunto, favorecido, certamente, pela figura que incorpora, mas também por sua versatilidade: custei a reconhecer o ator por sob o figurino do criado da tradicional comedia dell’arte. Mas há uma surpresa a mais em cena: Paulo Vicente, veterano ator, meio que desaparecido de cena, e que retorna, aqui, na pele do avarento e antipático Gerôncio. Sua interpretação clássica é definitiva e inolvidável. Diria mesmo que, em se tratando do personagem que é, ultrapassa a Scapino.
Margarida Peixoto cuidou muito dos entornos da montagem. Assim, os figurinos de Cláudio Benevenga são coloridos; houve preocupação com a naturalidade das perucas, e a cenografia de Élcio Rossini garantiu veracidade à cena, aliás, simplificada, mas valorizada pelas silhuetas simpáticas das casas, que lembram, corretamente, uma cidade italiana. A trilha sonora de Marcos Chaves é alegre e casou-se bem com os versos do próprio Marcelo Adams, nem sempre colocada em tonalidades que facilitassem para os atores, mas assim mesmo, bem entonada. A coreografia de Larissa Sanguiné levou à leveza de movimentos. A maquiagem, obra da própria diretora, que tem atuado nesta tarefa em outras montagens, valorizou muito as expressões faciais: as máscaras, sem estarem demasiadamente carregadas e caricaturais, valorizaram as expressões fisionômicas, facilmente perceptíveis, especialmente em relação aos dois pais.
O projeto do espetáculo evidencia maturidade, respeito pela dramaturgia e criatividade nos mínimos detalhes, como as piscadelas da Jacinta, dirigidas sempre para o público. A comédia tem este enorme desafio: ela não permite meio termo. Ou a direção acerta e tudo anda bem, ou o ritmo irregular da encenação põe tudo abaixo. Neste caso, Margarida Leoni acertou em cheio, e mesmo quando introduz alguns cacos e busca explicitar algumas eventuais segundas intenções do texto, não o faz com mau gosto ou fugindo ao proposto originalmente pelo texto.
Eis, pois, um bom espetáculo: divertido, bem realizado e, sobretudo, ainda e sempre interessante para o público contemporâneo."

quinta-feira, 19 de julho de 2012

ARTIMANHAS DE SCAPINO pelas lentes premiadas de Júlio Appel





JÚLIO APPEL é o fotógrafo das produções da CIA. DE TEATRO AO QUADRADO há alguns anos, e ficamos exultantes cada vez que ele é premiado por suas imagens. O Júlio já recebeu por três vezes prêmios internacionais por suas fotos, e a mais recente distinção que ele recebeu está aí:



WINNER OF PX3, Prix de la Photographie Paris
JULIO APPEL OF BRAZIL WAS AWARDED THIRD PRIZE IN THE PX3 2012 COMPETITION. PARIS, FRANCE
PRIX DE LA PHOTOGRAPHIE PARIS (PX3) ANNOUNCES WINNERS OF PX3 2012 COMPETITION.
Julio Appel of Brazil was Awarded: Third Prize in category Book (Series Only) for the entry entitled, " The Absent Ones"
.
As imagens premiadas são essas:





Parabéns Júlio, pelo reconhecimento, e pelas imagens, lindamente perturbadoras!

quinta-feira, 12 de julho de 2012

O FIM DO MUNDO está chegando

Estreia no próximo dia 17 de julho o novo trabalho da OFICINA DE MONTAGEM DE ESPETÁCULO da CIA DE TEATRO AO QUADRADO.

O mito de que o mundo acabará em 2012 já foi abordado até pelo cinema norte-americano (que adora destruir o planeta em suas produções repletas de efeitos especiais). O longa 2012, dirigido por Roland Emmerich, destruía a Terra com uma facilidade assustadora.
Pois a comédia O FIM DO MUNDO, que conta com 13 alunos-atores dirigidos por Margarida Leoni Peixoto, com texto escrito por mim, mostra que existem espertalhões às pencas que se aproveitam das superstições infundadas para sair ganhando de incautos. Lembram do caso do Bilú?

Na peça, um "emissário" dos extraterrestres, Misael, convoca por um vídeo no You Tube a população, para que se salve do fim do mundo. Alguns crédulos respondem ao chamado e vão até um sítio no interior do Rio Grande do Sul, para que, no momento adequado, os ETs cheguem e salvem da catástrofe aqueles poucos escolhidos. O FIM DO MUNDO mostra o que acontece depois disso...
Dias 17, 18 e 19 de julho, às 20h30min, no Teatro da Cia. de Arte (Andradas, 1780), no Centro de Porto Alegre.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Laços de sangue: um melodrama

Hoje acontece a apresentação do espetáculo que dirigi, junto com a Jezebel de Carli, no curso de Teatro: Licenciatura da Uergs. Seguem as informações:
Laços de Sangue: Um Melodrama é o resultado prático do componente curricular Oficina Montagem I do curso de Teatro: Licenciatura da Uergs, ministrado pelos professores Marcelo Adams e Jezebel de Carli. A disciplina tem entre seus objetivos a elaboração de uma peça teatral, dirigida pelos professores a partir da experimentação de procedimentos criativos associados ao fazer cênico.
O espetáculo Laços de Sangue: Um Melodrama homenageia o gênero melodramático, através das principais marcas de sua forma, tais como o romantismo, a grandiloquência gestual, o suspense e o patético. Essas características são trabalhadas teatralmente, em sua narrativa que brinca com o desenvolvimento histórico do melodrama através dos tempos.
A encenação vale-se do desvelamento das convenções teatrais, em um jogo cênico dinâmico e intenso, em que os dez alunos atores representam mais de quarenta personagens. A comicidade é alcançada pela sucessão de situações e lances melodramáticos, em que conhecidos clichês narrativos são revertidos e subvertidos.

Data: 11 de julho
Horário: 20h30min
Local: Teatro Therezinha Petry Cardona (Rua Capitão Porfírio Peixoto, 2141- Montenegro/RS)
Classificação etária: 14 anos

Preparando a voz para a estreia

Minutos antes de estrearmos ARTIMANHAS DE SCAPINO no Theatro São Pedro, o elenco "aquecia" a voz no porão do teatro, sob a orientação do Marcos Chaves, nosso preparador vocal. O Markito prefere a expressão "alongar" a voz, em analogia com o alongamento corporal que temos que fazer para um melhor trabalho. O fato é que, teclando no piano do TSP, ele nos colocou à vontade e mais seguros para inaugurarmos com o pé direito nosso querido espetáculo.