O homem e a mancha

O homem e a mancha

domingo, 23 de maio de 2010

O osso de Mor Lam

Assistir a um espetáculo de uma dramaturgia praticamente ignorada no Brasil - a não ser por estudiosos da área de Letras, como a Luciana Éboli, que em sua tese de Doutorado se debruça sobre textos de autores africanos de língua portuguesa - já é motivo suficiente para ir ao teatro assistir a uma montagem como essa. O texto de O osso de Mor Lam é do senegalês Birago Diop, em encenação de Jessé Oliveira, o cabeça do Grupo Caixa-Preta, e cumpre curta temporada na Sala Álvaro Moreyra do Centro Municipal de Cultura, até dia 6 de junho.
Com elenco de seis atores negros, composto por quatro mulheres e dois homens, o Caixa-Preta, que se notabiliza por praticar um tipo de teatro preocupado com questões marcantes da consciência negra e a expressão da cultura de origem africana em terras brasileiras, apresenta um espetáculo simples e eficiente. Sem nenhum tipo de financiamento e patrocínio para montar O osso de Mor Lam, a produção conseguiu colocar em cena absolutamente tudo que é necessário para contar esse singela fábula bem humorada. Nitidamente inspirado pela estética de Peter Brook, que montou esse mesmo texto no final dos anos 1970, Jessé homenageia o famoso tapete do inglês, sobre o qual podem ser contadas todas as histórias com um mínimo de recursos espetaculares e um máximo de aproveitamento daquilo que é o mais característico do teatro como expressão artística: o trabalho do ator. No lugar do tapete de pano brookiano, um "tapete" de arroz, com proporções um pouco maiores que um tapete "comum", mas ainda assim com o mesmo significado.
Em cena, o arroz é o elemento mais constante, através do qual uma série de outros elementos cênicos são substituídos. Exemplos: o arroz representa, além do próprio cereal, em momentos distintos, água, terra e bebida a base de álcool. A cor característica do arroz, o branco, acrescida do quase monocromatismo dos figurinos (também brancos ou em tons de gelo, bege, etc.), em contraste com a pele negra dos atores, abre interessantes possibilidades de leitura para o espectador. Jessé não escancara nenhuma delas, mas nos deixa pensar sobre isso.
A fábula da peça pode ser mais ou menos resumida assim: em um mundo de arroz, a carne vermelha é rara. Mor Lam consegue com uma tribo vizinha um osso de gado, cheio de tutano, e passa a sonhar com o momento em que finalmente poderá sorver aquela gordura desprendida do osso, que cozinha em uma panela, sob a supervisão de sua esposa. Mor Lam, obcecado com a possibilidade, egoisticamente tenta guardar apenas para si esse prazer, objetivo que é frustrado com a chegada de um amigo, que em uma visita interminável não permite que ele, literalmente, se lance aos prazeres da carne. A partir desse empecilho, Mor Lam e sua mulher, em uma sequência de ações cômicas, criam quiproquós para afastar o amigo da casa, enredando-os cada vez mais em mal entendidos e mentiras.
A caracterização de Mor Lam, do ator Sílvio Ramão, reproduz com bom resultado os maneirismos de um cão, e o restante de elenco tem uma contagiante energia para contar essa história, ainda que por vezes careça de uma técnica um pouco mais trabalhada para dar vida às figuras exigidas pela dramaturgia. Visualmente, o espetáculo é muito bonito, com uma cenografia realmente adequada, uma trilha sonora totalmente executada pelos atores, que demonstram um belo trabalho vocal na criação de sonoridades, e a iluminação do próprio Jessé, que para variar, é linda.
Após as experiências anteriores do Caixa-Preta, as quais tive a oportunidade de assistir - Transegun, Hamlet sincrético, Antígona BR -, me parece que O osso de Mor Lam indica um caminho novo, da simplicidade, da proximidade com o espectador. Não que as incursões de Jessé na mitologia ocidental não tenham sido marcantes (especialmente seu Hamlet, pois a Antígona carecia de aprofundamento, em minha opinião), mas às vezes um coletivo de artistas leva algum tempo para encontrar sua verdadeira máscara. E essa máscara que agora vejo parece muito adequada.
Em tempo: a ótima peça infantil Canto de cravo e rosa, que o Jessé dirigiu em 2007, no grupo Bando de Brincantes, não é do repertório do Caixa-Preta, mas tem alguns dos atores do grupo no elenco.

Um comentário:

  1. parabens ao elenco. A iluminaçao estva muito boa, parabens Jacka!!!

    ResponderExcluir