O homem e a mancha

O homem e a mancha

terça-feira, 29 de maio de 2012

CARLOS PAIXÃO em ARTIMANHAS DE SCAPINO

Carlos Paixão é o de vestido branco, na foto acima, do espetáculo Nada pessoal, dirigido por Nilton Filho em 1993. Assisti a essa divertida comédia no Teatro de Câmara, e foi a primeira vez que vi o Paixão em cena.

Na foto acima, o Paixão é o da extrema direita (só na foto!), agora fazendo papel de homenzinho na melhor comédia escrita no século XVI: Mandrágora, de Nicolau Maquiavel. A direção era de Nilton Filho, em 1995. Assisti na Sala Carlos Carvalho, e lembro que me diverti muito travando contato pela primeira vez com um texto renascentista, cheio de malícia e muito divertido.

E como o mundo é mesmo pequeno e cheio de coincidências, vai mais essa história. A foto acima é do espetáculo infanto-juvenil As artimanhas de Sganarello, dirigido por Nilton Filho em 1995. O Paixão é o mascarado quadriculado. A curiosidade é que aquela montagem era uma adaptação da peça O médico à força, de Molière, onde o Paixão interpretava Sganarello. Pois bem, em 2008, a Cia. de Teatro ao Quadrado montou O médico à força, e eu atuava como Sganarello! E agora em 2012, os dois Sganarellos se encontram em cena, em ARTIMANHAS DE SCAPINO. O nome é parecido, mas a peça é diferente!

No dia 29 de junho, Carlos Paixão estará conosco no Theatro São Pedro, como Argante, um dos velhos ricos que são enganados por Scapino.

Um comentário:

  1. Grande ator, lembro de assisti-lo em "Solidão, a comédia" em que dominava a cena. Muito bom retornar a cena! Bela escolha de ator! Merda para a trajetória do espetáculo!
    Diego Ferreira
    www.escapeteatro.blogspot.com

    ResponderExcluir