O homem e a mancha

O homem e a mancha

quinta-feira, 3 de junho de 2010

O teatro de Marcelo

Eu estava lendo o blog do Pretto, onde ele sonha com a aquisição de um teatro próprio, para poder produzir em paz e com tranquilidade (?) durante o ano todo, sem preocupações com editais, espaços de ensaios, etc. Ele cita ainda, a alegria de grupos como Ói Nóis, Stravaganza, que possume seu próprio espaço. Quero dizer ao Pretto que também tenho meu teatro, construído bem antes desses acima citados. A seguir, uma descrição:
O teatro de Marcelo é um teatro construído na Roma Antiga, ainda parcialmente conservado, alçado por vontade de Júlio César na zona meridional do Campo de Marte conhecida como Circo Flamínio, entre o rio Tibre e o Capitólio. Foi assim baptizado em memória de Marco Cláudio Marcelo, filho de Octávia, irmã de Augusto, e Caio Cláudio Marcelo. Marco Marcelo morreu cinco anos antes da conclusão do edifício.
Júlio César projectou a construção de um teatro destinado a rivalizar com aquele construído no Campo Marzio por Pompeu. Assim, esta área é arrasada, chegando-se mesmo a destruir alguns edifícios sacros, como um templo dedicado à Piedade (Pietas). Quando César foi assassinato, estavam apenas içadas as fundações; os trabalhos foram continuados por Augusto, que empregou o seu próprio dinheiro para arrasar uma área ainda mais vasta e alçar um edifício de dimensões maiores das originalmente previstas. Este alargamento comportou provavelmente a ocupação de uma parte do Circo Flamínio e a realocação e reconstrução dos edifícios sacros circundantes, como o antigo templo de Apolo.

Um comentário:

  1. Opa! Gostei de conhecer o teu Teatro! Tendo participado efetivamente da administração de dois teatros particulares por um tempo e observado e conversado muito com os outros colegas que tem espaço próprio, sei bem os pós e os contras dessa aquisição.
    Liberdade sim, tranquilidade nem tanto! kkk!
    Mas...

    ResponderExcluir