O homem e a mancha

O homem e a mancha

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

AS NÚPCIAS DE TEODORA- 1874, DE IVO BENDER

Em 2000 deu-se a estreia desse texto de Ivo Bender, nos palcos de Porto Alegre. Ivo havia publicado a sua Trilogia Perversa (composta ainda das peças 1941 e 1826) em 1988, mas ainda não vira encenada essa sua versão da tragédia euripidiana Ifigênia em Áulis. Então, o encenador Decio Antunes pôs a mão na massa e trouxe à luz, pela primeira vez, a transcriação que o autor fez para o universo da colonização alemã no interior do RS, tendo como uma das principais figuras a líder messiânica Jacobina Maurer, massacrada, junto com seus seguidores (os pejorativamente chamados Muckers), pelas tropas do exército que desceram do Rio de Janeiro para chacinar dezenas de pessoas inocentes.
A montagem do Decio tinha no elenco, além de mim e do Lisandro Bellotto (ambos na foto acima, de Márian Starosta, sobre a cenografia de Félix Bressan, iluminados por João Acir e vestidos por Daniel Lion), os atores Naiara Harry, Giselle Cecchini, Sérgio Mantovani, Elaine Regina, Evandro Soldatelli, Kiko Medeiros, Hermes Bernardi Jr. e Ana Lara Vontobel. A linda trilha sonora de Flávio Oliveira completava a equipe desse espetáculo ímpar na história do teatro gaúcho, por sua ousadia estética e relevância artística.

Nenhum comentário:

Postar um comentário